Responsabilidade Social

Enzimas lignocelulolíticas de basidiomicetos e seu potencial em biorremediação

Inovação Tecnológica

Unidade: Umuarama

Titulação: Doutorado - Atividade: Pesquisa Institucional

Cod. CNPQ: 0002120202 – Microbiologia Industrial e de Fermentação

Núcleo de Pesquisa: Ciências Biológicas, Agrárias e Tecnológicas

Linha de Pesquisa: Des. Prod. Proc. e Car. e Pres. Mat. Biol. Biotec. Agrári.

Professora: Juliana Silveira do Valle

Resumo: A habilidade dos fungos de podridão branca secretarem enzimas lignocelulolíticas, ou seja, lacases, manganês peroxidases, ligninas peroxidases, é muito investigada, elas possuem potencial de oxidação de substratos fenólicos, anéis aromáticos, lignina entre outros. As enzimas lignocelulolíticas são capazes de biorremediar poluentes tóxicos como os desreguladores endócrinos e os corantes têxteis, que são usados em larga escala pela indústria farmacêutica, têxteis, celulose, cosméticos, entre outros. Os poluentes desreguladores endócrinos podem afetar o sistema endócrino do homem e da fauna e os corantes possuem efeitos tóxicos, carcinogênicos, mutagênicos, causando enorme impacto ambiental. Este projeto propõe a otimizar a produção de enzimas lignocelulolíticas a partir de fungos de podridão branca, avaliando seu potencial para a biorremediação.

Enzimas lignocelulolíticas de basidiomicetos e seu potencial em biorremediação