Responsabilidade Social

Fungos micorrízicos arbusculares na tolerância aos estresses abióticos: resposta no metabolismo em Ocimum SP

Inovação Tecnológica

Unidade: Umuarama

Titulação: Doutorado - Atividade: Pesquisa Institucional

Cod. CNPQ: 0000000000 

Núcleo de Pesquisa: Ciências Biológicas, Agrárias e Tecnológicas

Linha de Pesquisa: Biotecnologia aplicada ao melhoramento vegetal

Professora: Silvia Graciele Hulse de Souza 

Resumo: Os diferentes estresses abióticos podem afetar drasticamente o desenvolvimento vegetal através da inibição de diversas atividades que ocorrem em seu metabolismo, desde a baixa absorção dos nutrientes até mesmo a redução da produção da clorofila, prejudicando o desenvolvimento vegetal. No entanto, como forma de melhorar a produtividade das culturas sob condições ambientais adversas, os microrganismos como os fungos micorrízicosarbusculares (FMAs) têm sido empregados na agricultura. Em virtude disso, o objetivo deste trabalho é avaliar o efeito dos FMAs no desenvolvimento, atividade bioquímica e na produção e composição do óleo essencial de diferentes genótipos de manjericão submetidas a diferentes estresses abióticos. O experimento será conduzido em casa de vegetação da Universidade Paranaense - UNIPAR, Campus III - Umuarama/PR. 

Sementes de manjericão (Ocimumssp) alfavaca  verde,  da  marca Feltrin®,serão colocadas em água destilada durante 3 horas para quebrar o processo de dormência e acelerar a germinação. Em bandejas de poliestirenos contendo substrato autoclavado Carolina Padrão®, serão semeadas cinco sementes de manjericão. Após 30 dias as mudas serão transplantadas para vasos plásticos (3 litros) contendo uma mistura autoclavada (2x/1 hora - 121ºC)de matéria orgânica (esterco):vermiculita:areia (1:1:1 v). As plantas serão submetidas a estresse hídrico e salino. O estresse hídrico será realizado nas condições moderada (35% da capacidade de campo (cc), severa (70% de cc) e o controle (máxima cc - 100%). No processo de realização do estresse serão utilizados duas estipes de FMAs (Glomus etunicatum e Glomus clarum), e um controle em que não haverá a presença dos fungos. Para o estresse salino serão utilizadas cinco concentrações de cloreto de sódio (NaCl) (50, 100, 150 e 200 mM) e o controle, no qual será adicionado somente H20.

As plantas serão irrigadas com solução nutritiva de Hoagland e Arnon 1x por semana, até o final do experimento. Após dois meses serão avaliados os seguintes parâmetros agronômicos e bioquímicos: altura da parte aérea (APA), massa fresca da parte aérea (MFPA), densidade de esporos dos FMAs, colonização radicular por FMAs, determinação do carbono da biomassa microbiana do solo, determinação de fósforo e de nitrogênio nas folhas e raízes, quantificação de clorofilas totais a e b, teor relativo de água da planta (TRA%), atividade de água na planta (aw), integridade da membrana plasmática (DM%), atividade das enzimas antioxidantes superóxido dismutase (SOD), catalase (CAT), ascorbatoperoxidase (APX), prolina, e rendimento e composição do óleo essencial (OE). O experimento será conduzido em esquema fatorial 3x3 e os dados serão submetidos à análise de variância e ao teste de média Tukey (p <0,05) utilizando o programa estatístico Sisvar.

Fungos micorrízicos arbusculares na tolerância aos estresses abióticos: resposta no metabolismo em Ocimum SP